Diga não ao cigarro

Diga não ao cigarro

O Dia Mundial Sem Tabaco – 31 de maio – foi criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo.
O cigarro ROUBA
– 6,71 anos de vida das mulheres e 6,12 anos de vida dos homens, em média.
– 2,45 anos de vida das mulheres ex-fumantes e 2,66 anos de vida dos homens ex-fumantes, em média. 
O cigarro MATA
– 428 pessoas morrem por dia no brasil por causa do tabagismo.
– 12,6% de todas as mortes que ocorrem no país podem ser atribuídas ao tabagismo.
– 156.217 mortes poderiam ser evitadas a cada ano.
SEPARAMOS 10 GRAVES CONSEQUENCIAS AO ORGANISMO RELACIONADAS AO FUMO:
1. O consumo de derivados do tabaco causa cerca de 50 tipos de doença, principalmente as cardiovasculares (infarto, angina), o câncer e as doenças respiratórias. Estas doenças são as principais causas de óbitos por doença no Brasil, sendo que o câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer.
2. O tabagismo causa impotência sexual no homem e, no caso das mulheres, complicações na gravidez. 
3. O hábito de fumar enfraquece o cabelo e resseca a pele, reduz o paladar e o olfato. 
4. Além do envelhecimento precoce da pele, o tabaco também inibe a produção de colágeno e elastina, que impedem a flacidez. 
5. A mulher fumante tem um risco maior de infertilidade, câncer de colo de útero, menopausa precoce (em média 2 anos antes) e dismenorréia (sangramento irregular).
6. O fumo causa no Sistema Nervoso Central, num primeiro momento, a elevação leve no humor e diminuição do apetite. O que parece ser prazeroso no começo, causa dependência e vício.
7. Existem cada vez mais indícios de relação entre o tabagismo passivo e o derrame cerebral. 
8. Em fumantes passivos o risco de doença cardíaca aumenta em 25%.
9. O tabagismo passivo é especialmente perigoso na gravidez, podendo prejudicar o crescimento do feto e aumentar o risco de complicações durante a gravidez e o parto, tais como a morte fetal, o parto prematuro e o baixo peso ao nascer. 
10. Os recém-nascidos expostos à fumaça do cigarro têm maior risco de morte súbita, bronquite, pneumonia, asma, exacerbações da asma e infecções de ouvido.
Fonte: INCA e SBEM (adaptados)

Share this post